4 de abr de 2013

Logística trava embarque da soja: Mato Grosso



Publicado no site AGROBLOG


Logística trava embarque da soja

Crise logística atrasa embarque de grãos do Estado e apenas 2% da produção de soja na safra 2012/ 2013 foram exportados, conforme Boletim Semanal do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). 

Do total previsto de 23,6 milhões de toneladas, cerca de 474,7 mil (t) foram enviadas ao exterior no 1º bimestre deste ano, volume 55,4% menor que o despachado nos meses de janeiro e fevereiro de 2012, quando 1,066 milhão (t) da oleaginosa foram embarcadas. 

O relatório do Imea mostra que em janeiro de 2013 não houve registro de envio e os embarques no mês seguinte foram 30% menores do que em fevereiro do ano passado.


A cadeia de escoamento congestionada explica o percentual de queda registrado na exportação no início de ano, aponta o economista Vitor Galesso. O especialista em comércio exterior cita o “empacotamento” que chegou ao terminal ferroviário de Alto Araguaia a partir do problema de carregamento no porto de Santos, por onde partem cerca de 60% dos produtos mato-grossenses. “É como o trânsito de Cuiabá. Se um carro para na Prainha vai causar transtorno”.


Soja sendo embarcada em porão de navio graneleiro.

A greve dos trabalhadores portuários também está na lista dos problemas que, segundo Galesso, devem ser resolvidos no 2º semestre com a normalização da operação, mantendo atrasos habituais. Uma previsão que, conforme o próprio especialista, pode não se concretizar com o surgimento de outras dificuldades inesperadas.

Tratando de situações atípicas, o superintendente do Imea, Otávio Celidônio, ressalta ainda que a estrutura de escoamento estava sendo utilizada para exportar o milho, que registrou safra recorde em 2012, fechando em 15,5 milhões (t), sendo que, 3,5 milhões (t) de total foram embarcados nos 2 primeiros meses deste ano.
Segundo Celidônio, a redução na quantidade exportada trata-se mais de uma questão conjuntural de colheita e de logística do que comercial, já que a demanda existe no mercado. “A produção será maior e as exportações também vão ser superiores. Isso mostra a urgência na melhora da infraestrutura, na capacidade de operação nos portos, que estão aquém da nossa necessidade”. Necessidade que tende a aumentar com a estimativa de 10,4% de crescimento na produção da oleaginosa nesta safra.
Fila de caminhões para porto de Santos

Exportação – Conforme análise do Imea, a baixa exportação no começo do ano é normal, já que a demanda interna também é grande pela oleaginosa. Além disso, é um período de chuva que dificulta e, consequentemente, provoca a redução dos embarques, completa Galesso. Os meses de março, abril e maio concentram a maior movimentação de soja mato-grossense nos portos, representando 15,9%, 15,4% e 16,8%, respectivamente. Os dados consideram o período entre 2009 e 2012.
As exportações no 1º semestre são responsáveis pelo envio de 67,5% da produção. Em julho 10,3% costumam ser enviados e o restante, 22,2%, são distribuídos nos 5 meses restantes do ano, quando a soja compartilha a plataforma de escoamento com milho e algodão.
Comercialização – Setenta e seis porcento da soja da safra 2012/2013 já foi comercializada. Até o dia 21 de março, 92,6% do grão foram colhidos. Com o percentual de 99,3%, os trabalhos devem se encerrar primeiro na região Médio-Norte do Estado.
Gazeta Digital